Busca do site
menu

Companheiros homenageiam Antonio Ivo de Carvalho

ícone facebook
Publicado em:25/06/2021
Na quinta-feira (10/6), a saúde pública brasileira perdeu Antonio Ivo de Carvalho. Ser humano reconhecido por sua generosidade, criatividade, liderança, firmeza, irreverência, além de sua capacidade de inovação e forma agregadora e afetuosa de lidar com as pessoas, foi incansável defensor do direito universal à saúde, do SUS, da igualdade, da justiça social e da democracia. Diretor da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca de 2004 a 2013, destacou-se como peça fundamental para fortalecer o papel da ENSP na categoria de “Uma escola para ciência, saúde e cidadania”. O velório ocorreu nesta sexta-feira (11/6), ao meio-dia, na Capela Premium A do Crematório São Francisco Xavier, no Caju. A cremação ocorreu às 14h.

Falecido aos 71 anos, Antonio Ivo era casado, há 23 anos, com Ana Furniel. Deixa quatro filhos João Rodrigo, Letícia, Maria e Guilherme e três netos Helena, Inácio e Rafael.

Coordenou o Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz (CEE) no período de 2014 a abril de 2021. 

A Coordenação de Comunicação Institucional da Escola Nacional de Saúde Pública (CCI/ENSP) produziu um vídeo em homenagem ao ex-diretor e generoso Antônio Ivo de Carvalho. Confira abaixo: 



Neste espaço, a Direção da ENSP, por intermédio da Coordenação de Comunicação Institucional, reunirá vários depoimentos em homenagem ao sanitarista. O ambiente é aberto, e as mensagens podem ser enviadas, por e-mail, para informe@ensp.fiocruz.br, com o assunto: "Homenagem Antonio Ivo"

• "Com muito pesar recebi a notícia da partida do Ivo. Justamente no momento em que me coloco para enfrentar o grande desafio de liderar a nossa ENSP. Desafio muito conhecido e, honrosamente, cumprido  por ele. Ivo sempre militou pela democracia e pela saúde pública, apaixonado pela Fiocruz e, especialmente, pela ENSP. Foi ator imprescindível, com a liderança do Arouca, no sonho e na construção de uma Fiocruz da qual nos orgulhamos. E o mais importante: um ser humano generoso e aberto à diversidade. Fará muita falta! Deixo, aqui, meu abraço à Ana Furniel e sua família." - Marco Menezes, diretor da ENSP

• "A Fiocruz e, em especial, a ENSP perdem um dos seus maiores construtores e defensores do SUS. Desde jovem, dedicou sua vida na defesa da justiça, igualdade e saúde para toda a sociedade. Perde a saúde pública. É com tristeza que, nesses tempos tão difíceis, tenhamos que dizer adeus ao nosso bravo companheiro. Que seus ideais permaneçam vivos em nossos corações." - Hermano Castro, ex-diretor da ENSP

• "Antes de tudo, Ivo foi um grande amigo, sempre acolhedor, pronto para interagir, solidário,  instigante e, por vezes, querelante, com suas visões abrangentes, agudíssima capacidade analítica, erudição e humor refinado. É toda uma história de vida, sempre marcante, nas lides da saúde coletiva, do Cebes, da Abrasco, da Fiocruz. Era sempre uma voz aguardada com expectativa em nossas pajelanças dos momentos críticos e nas reuniões do Conselho Deliberativo da Fiocruz. Suas realizações na ENSP têm a marca da permanência, em especial na área da Educação e dos modelos democráticos de atenção à saúde nos territórios. Quando deixou a Direção da ENSP, tive a felicidade de criar o Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz e convidá-lo para dar corpo e alma ao que se tornou uma referência de rica produção de conhecimento e visões críticas para os tempos contemporâneos e prospecção de futuro. A tristeza e a saudade dilaceram, mas carregamos um acervo de memórias afetivas e de construção coletiva, em que Ivo estará sempre presente."  - Paulo Gadelha, ex-presidente da Fiocruz

• "Antonio Ivo: um guerreiro que parte!
Choramos a partida precoce de um guerreiro, recém-comemorando 71 primaveras. Antonio Ivo foi uma figura excepcional, profissional de saúde e militante político, referência na Saúde Coletiva e sempre se destacando em qualquer atividade que tenha abraçado, na ENSP, na Fiocruz, no SUS ou na política. Médico e pesquisador de uma inteligência e capacidade incomuns, de fala fácil e contundente, vai fazer muita falta como amigo, como pessoa e como lutador. Enfrentamos momentos complexos e delicados, quando mais precisamos de pessoas com a clareza de raciocínio e capacidade de agir como ele demonstrou ao longo de sua vida.

Seus amigos e amigas choram, seus familiares choram, companheiros e companheiras de trabalho choram; nossa equipe do NAF lamenta essa partida precoce, o vazio que experimentamos e agradece o apoio que sempre demonstrou enquanto dirigente, diretor da ENSP, coordenador do CEE Fiocruz, sempre raciocinando antecipadamente e lutando a boa luta. Seu compromisso com o SUS, com a melhoria das condições de saúde de nossas populações, sua lealdade com as amizades e o carinho com a família ficam como um legado, como um exemplo para futuras gerações. Lembremos sempre dos momentos agradáveis, das angústias compartilhadas e das dificuldades enfrentadas ao lado dele, mas lembraremos também de realizações. Dessa maneira, honraremos a memória desse guerreiro que parte. Antonio Ivo PRESENTE!" - Homenagem da equipe do NAF/ENSP 

• “Não há como analisar o processo de construção do SUS em toda a sua complexidade e riqueza sem nos referirmos a Antônio Ivo e à sua trajetória como pesquisador, professor e gestor. Sua rica trajetória construída ao longo de muitas décadas revela uma pessoa profundamente comprometida com o social e com as transformações necessárias para que nosso país pudesse conquistar um nível diferenciado de desenvolvimento. Ele deixa também uma profunda marca na trajetória da ENSP e da própria Fiocruz. Pessoa muito querida por todos que conviveram com ele. Sua ausência nos deixa a todos órfãos de seu carisma, alegria e generosidade. Viva Antonio Ivo de Carvalho!“ - José Gomes Temporão – ex-ministro da Saúde e pesquisador do CEE-Fiocruz

• "No meu convívio com Ivo, além das muitas qualidades como pessoa ética e comprometida com o SUS, a equidade e uma sociedade melhor, percebi outras dimensões menos racionais. Tinha clara paixão pelas pessoas próximas revelada, para mim, sobretudo em sua relação com a Ana. Também sua ousadia. Abriu o espaço de sua mente e de seu coração para novos conhecimentos, me dando ânimo para o diálogo e crescente pertencimento ao campo da saúde coletiva. 

Quanta força deu para o mestrado em CT&I e, há duas semanas, me ligou para dizer que estaríamos juntos na eterna busca de algo inovador que juntasse o mundo do desenvolvimento com o mundo da saúde e dos direitos. 

Firmamos um pacto de um trabalho junto e ousado no CEE. Também gostávamos de fofocar. Confesso. Mas aquela fofoca sem maldade, que une e que significa amizade e a busca de uma sociabilidade em tempos tão sombrios. Ia na sua sala no CEE e era impossível não sair melhor, com um sorriso e um sentimento de que estive com um “cara incrível” e que era possível falar sobre tudo sem dogmas e sem medos. 

Sentia que estávamos e que estaríamos cada vez mais juntos. Precisava de sua ousadia e de seu desprendimento. E de sua leveza. Como precisava… Ele se foi. Mas me deixou um caminho de busca. Ivo, serei mais próximo ainda de você, que ficará rondando, como Arouca e Oswaldo Cruz, o castelo e os meandros da Fiocruz, do país e das pessoas. Estamos juntos, meu querido amigo, em construção. 

Um beijo no coração. Para você, para a Ana e para todos que te amam." - Carlos Gadelha, coordenador do CEE/Fiocruz

• “Generosidade, confiança, diálogo e afetividade simbolizam Antonio Ivo. Assim foi na Direção da ENSP, na construção do CEE e na sua implementação.
 
Mais recentemente, a convite dele, me somei à equipe do CEE. E, nesses tempos pandêmicos de 2020-2021, Ivo se entusiasmou com a proposta de desvendar as condições de trabalho dos profissionais de saúde na pandemia, assumindo comigo e Francisco Campos, a coordenação dos projetos em curso (em parceria CEE e ENSP). Não faltou estímulo, generosidade e apoio institucional para todos nós da equipe de pesquisa. 

Como visionário e defensor perpétuo do SUS, ele nos acolheu e nos proporcionou o melhor ambiente de trabalho.

Ele partiu repentinamente, e será muito difícil, triste, não tê-lo mais conosco. 

Resta-nos agradecer para sempre e dedicar nossos estudos a você, Ivo – médico, profissional de saúde –, símbolo de resistência, compromisso e atuação impecável no Sistema Único de Saúde. 

Salve nosso querido e amado Ivo!” - Maria Helena Machado – pesquisadora da ENSP/Fiocruz e CEE

• "Imensa tristeza pela morte de Antonio Ivo de Carvalho. Solidário, ético, amoroso, criativo, inovador. Figura adorável. Perdemos todos, seu riso acolhedor, sua capacidade de agregar pessoas, difundir ideias, formular proposições, apoiar iniciativas criativas. Brilhante sanitarista e incansável defensor do direito universal à saúde, do SUS, da igualdade, da justiça social, da democracia. A perda de Antonio Ivo afeta a todos nós. Mais uma perda irreparável nesta pandemia! Muito triste.

Sinto muito, querido Antonio Ivo, não ter podido te dar um abraço carinhoso em todo este tempo da pandemia. Envio aqui um abraço atrasado a todos que te amaram e sofrem tua falta – familiares, amigos, companheiros de trabalho do Nupes, da ENSP, do CEE-Fiocruz." - **Ligia Giovanella, coordenadora da Rede de Pesquisa em Atenção Primária à Saúde (Rede APS/Abrasco) e pesquisadora da ENSP/Fiocruz

• "Antônio Ivo era tão cheio de ternura , que nem parecia estar lutando. Mas lutou sempre, como um sonhador. Empolgado com suas ideias e ainda mais com as do Outro. Na direção da Ensp, não se limitou a apoiar a equipe do Programa Radis, queria nos compeender e passou a defender o direito à comunicação como defendia o direito à saúde. Na relação pessoal na Fiocruz, na rua ou nas festas foi sempre acolhedor e doce comigo. Buscava a aproximação, rompia o silêncio com uma pergunta ou um comentário engraçado, pedia opiniões, concordava com as críticas, relativizava os elogios, antecipava o abraço, cobrava visitas e gostava de pautar assuntos pra novas conversas.Tá dificil usar os verbos no passado". - Rogério Lannes, Programa Radis

• "Falar de Antonio Ivo de Carvalho não é fácil. Cheguei à Escola Nacional de Saúde Pública em agosto de 2001, vindo como jornalista de uma assessoria de futebol para um universo completamente novo para mim: SUS; Saúde Pública; descobrir que a Fiocruz é muito mais que um castelo. E Ivo foi o primeiro gestor que conheci na ENSP, ele como vice-diretor da Escola de Governo e, depois, como diretor da Escola. Com ele aprendi o que foi a Reforma Sanitária brasileira, a importância de uma saúde universal, equitativa e igualitária, o papel da educação à distância, entre muitas outras coisas. Ao longo dos anos, foram inúmeras coberturas jornalísticas, e, posso afirmar, Ivo tinha o dom de cativar – e  ensinar da forma mais simples – seu público sempre que tomava a palavra. Foram ótimos papos dentro e fora da ENSP, pois tive o privilégio de conhecer Antonio Ivo que não era o diretor de uma das principais unidades da Fiocruz. Caminhos profissionais nos levaram a rumos diferentes, mas, sempre que o encontrava, ele perguntava pelo meu filho, pedia para ver fotos e que carinhosamente chamava de "colosso", mostrando que além de um grande diretor, gestor, profissional de saúde, ele era um ser humano que se preocupava com o próximo. Ivo foi uma daquelas pessoas que dificilmente você encontrará na vida novamente. Perde a ENSP. Perde a Fiocruz. Perde a saúde pública brasileira. Perdemos todos nós com Ivo nos deixando." - Antonio Fuchs, jornalista do INI/Fiocruz

• "É com coração apertado de tristeza que presto minha homenagem à Antonio Ivo de Carvalho, pensador, gestor, mestre que muito contribuiu para as causas civilizatórias da saúde pública no país. Ivo me mostrou caminhos desafiadores da gestão, com a ousadia de uma visão de futuro. Como amigo, agradeço a confiança, os ensinamentos e o carinho." - 
Elyne Montenegro Engstrom, pesquisadora da ENSP/Fiocruz

• "Grande consternação, nestes tempos tristes, com a perda repentina de Antonio Ivo. Colega, amigo, diretor, interlocutor de grande qualidade, justo e elegante no trato das relações institucionais e pessoais. Devo a ele a gratidão e reconhecimento pela forma acolhedora e respeitosa como conduziu a incorporação do Centro de Referencia Helio Fraga à Fiocruz e apoiou nossa gestão e as medidas tomadas. 

Meu abraço à Ana Furniel e à sua família, e os melhores sentimentos." - Margareth Dalcolmo, pesquisadora da ENSP/Fiocruz

• "Tive o privilégio e honra de conviver e trabalhar com Antonio Ivo durante meus 20 anos de Fiocruz. Aprendi com um grande mestre a importância no nosso trabalho na Fiocruz para o fortalecimento do SUS e, principalmente, o respeito e o orgulho de ser um servidor público no seu sentido mais nobre de contribuir para qualidade de vida e de saúde da nossa sociedade." - Marcelo de Amaral Wendeling, diretor administrativo da Fiotec

• "Conheci Antonio Ivo nos anos 1990 como professor, quando fiz iniciação científica e, depois, residência na ENSP. Anos depois, foi meu colega de departamento, diretor da ENSP por uma década e, finalmente, convivemos na equipe da Presidência da Fiocruz, em que ele atuou como coordenador do Centro de Estudos Estratégicos. Teve uma trajetória profissional admirável na luta pela democracia, pelo direito à saúde e pelo SUS, desde os anos 1970, nas várias posições que ocupou. Era também uma pessoa maravilhosa de se conviver: animado, criativo, engraçado e gentil. Ivo fará muita falta nesta dimensão, mas espero que suas ideias, valores e espírito militante sejam inspiração para continuarmos na luta por uma sociedade mais justa." - *Cristiani Vieira Machado, pesquisadora da ENSP e vice-presidente de Educação, Informação e Comunicação da Fiocruz

• "Ivo foi o diretor que construiu a ENSP moderna, uma potência de abrangência realmente nacional e com reconhecimento internacional. Investiu fortemente em inovação pedagógica, com o EAD; na formação para o SUS, com a Escola de Governo; na comunicação científica com a Política de Acesso Aberto ao Conhecimento; e não apenas garantiu como estimulou a autonomia intelectual e funcional dos pesquisadores. No CEE-Fiocruz, dedicou-se a montar um centro que lutasse pelo futuro do SUS e da democracia brasileira. Foi sempre um DEMOCRATA, alguém que, nas crises, orientava-nos: “Conversem e cheguem aos consensos possíveis!" - *Marcelo Rasga – pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz)

• "É grande a tristeza que sentimos hoje com a partida de nosso querido colega Antonio Ivo. Não há dúvida de que ele deixará um vazio enorme para todo o campo da saúde coletiva brasileira. Antonio Ivo, com seu brilhantismo e entusiasmo, foi um grande defensor do direito universal à saúde, e sua participação na construção e sustentação do SUS está marcada em sua trajetória de vida. Como diretor da ENSP, não só foi importante enquanto formulador de políticas de saúde, mas também por implementar importantíssimos programas de formação em saúde com visão ampliada e crítica; com certeza, marcou a atuação de inúmeros profissionais de saúde que puderam multiplicar suas ideias por todo o Brasil. Sentiremos muito esta partida. Antonio Ivo presente!" - **Gulnar Avezedo e Silva, presidente da Abrasco e professora do IMS/Uerj

• "Algumas vezes, foi medir a glicemia conosco no Centro de Saúde. Estava, via de regra, fora de controle. Gostava de comer. Conversamos sobre a insulina que tinha que iniciar. Muitos anos atrás. Parece um século. Geminiano, como eu. Muitas vezes, discordamos e concordamos. Era afetuoso. Muito. Apesar de distante tantos anos e sem notícias sobre ele, vou sentir sua falta. Saber que não está mais por aqui é profundamente diferente de saber que estava lá, do outro lado da Av. Brasil."
Beijos a todos. - Drª Celina Boga -  pesquisadora da ENSP

• "Muito triste com sua partida. Combinava uma mente brilhante, com grande capacidade de formulação e proposições, de agregar pessoas e grupos e um coração enorme. Fará uma falta imensa. Na minha geração, a marca que Ivo deixou na ENSP é fortíssima, a ponto de essas duas identidades serem imediatamente associadas. Um homem generoso, inteligente e criativo. É uma das grande marcas da nossa história institucional. Antonio Ivo presente!!!" - Carlos Machado - pesquisador da ENSP