Busca do site
menu

ENSP promoverá seminário para sensibilizar profissionais das áreas assistenciais da Escola

ícone facebook
Publicado em:29/03/2024

A Vice Direção de Atenção à Saúde e Laboratórios de Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Vdal/ENSP) promoverá nos dias 4, 11 e 18 de abril o Seminário 'Aprimorando o cuidado nas áreas assistenciais da ENSP: enfrentando o racismo, o cissexismo, o capacitismo e o estigma em saúde mental'. O evento busca sensibilizar os profissionais dos centros assistenciais da Escola sobre a importância de incorporar práticas antirracistas, antitransfóbicas, anticapacitistas e anti-estigma em saúde mental na rotina dos serviços de saúde. Para promover o debate sobre as pautas, o seminário será realizado em três dias e contará com apresentações de profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS) e de ativistas, além de dinâmicas em grupo que pretendem discutir aspectos da integralidade do cuidado com base nos comentários e dúvidas apontados pelos participantes. O seminário será restrito aos profissionais dos três centros assistenciais da ENSP, entre eles: Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh); Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria (CSEGSF); e Centro de Referência Professor Hélio Fraga (CRPHF), além de profissionais da Fiocruz e pesquisadores. 


De acordo com a vice-diretora de Atenção à Saúde e Laboratórios da ENSP, Fátima Rocha, o evento integra o Plano Institucional Participativo da Escola (PIP 2022-2025), sendo uma atividade estratégica para o fortalecimento da equidade nos Centros de Atenção à Saúde da Escola. “Como resultado deste seminário, esperamos a promoção da ampliação do acesso e resolutividade dos cuidados ofertado no Cesteh, Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria e Centro de Referência Professor Hélio Fraga às populações vulnerabilizadas. Nosso objetivo institucional é desenvolver práticas do cuidado em saúde que considerem as questões raciais, o cissexismo, o sofrimento mental, e a inclusão e acessibilidade de pessoas com deficiência”, pontuou ela.

A expectativa do evento é contar com a ampla participação dos trabalhadores e trabalhadoras, de forma que todas as funções exercidas nos centros assistenciais da Escola estejam representadas, buscando conhecer as dúvidas e as ideias dos profissionais de saúde a respeito dos temas em discussão no seminário. A partir dessas informações, a proposta é elaborar um Plano de Educação Permanente em Saúde nos serviços. De acordo com a assessora da Vdal, a pesquisadora Claudia Santamarina, ao provocar reflexões sobre racismo, transfobia, capacitismo e estigma em saúde mental, pretende-se contribuir para que os trabalhadores e trabalhadoras revejam suas práticas profissionais e considerem o que pode ser aprimorado para o acesso e integralidade do cuidado das populações mais vulnerabilizadas. 

“Faremos, também, uma avaliação das percepções e afetos que percorrerão os grupos de participantes nessa jornada, levantando ações e atitudes que podem ser modificadas nos centros de saúde e necessidades formativas para a composição de um Plano de Educação Permanente em Saúde nos serviços”, explicou. Segundo a assessora, é fundamental que os trabalhadores e trabalhadoras da saúde reconheçam e discutam o racismo, a transfobia, o capacitismo e o estigma em saúde mental, entendendo que são elementos estruturais da sociedade e que acabam estruturando ações e atitudes cotidianas nos serviços de saúde. “É preciso interromper fluxos e rotinas que possam reproduzir práticas excludentes e invisibilizar necessidades e demandas de cuidado que tem contribuído para maior adoecimento e mortalidade destas populações mais vulnerabilizadas”, enfatizou Santamarina.

Compromisso da ENSP com políticas públicas equitativas e democráticas

Organizado pela Vice Direção de Atenção à Saúde e Laboratórios de Saúde Pública da Escola, o Seminário ‘Aprimorando o cuidado nas áreas assistenciais da ENSP’ é uma iniciativa que dialoga com as diretrizes do IX Congresso Interno da Fiocruz que, entre seus compromissos, destaca a necessidade de promover políticas públicas equitativas e democráticas, em consonância com a interseccionalidade e os direitos humanos, com base em evidências sobre as iniquidades e desigualdades em saúde, ciência e educação, considerando os processos de determinação socioambiental, econômica e cultural, a fim de enfrentar os componentes de adoecimento na atenção às populações vulnerabilizadas.  

A formulação do seminário foi pactuada na Comissão de Atenção em Saúde, composta pelas unidades assistenciais da ENSP, garantindo a gestão participativa em sua formulação. Para a vice-diretora, a etapa que compreende a realização do evento representa um investimento importante na educação permanente dos trabalhadores e faz parte de um processo mais amplo, que envolve diversas ações, entre elas, pesquisa de campo nos centros de atenção; formulação de plano de monitoramento e avaliação; produção de material educativo; e outras estratégias de comunicação. 

O seminário contará com a participação de profissionais da ENSP, do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), e da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ) na condução das dinâmicas propostas. Além disso, no primeiro dia do evento, 4 de abril, serão exibidos vídeos sobre racismo, cissexismo, capacitismo e saúde mental, produzidos com a colaboração de pesquisadores da ENSP e do INI, especialmente para o evento. 

O seminário também conta com o apoio da Comissão Permanente de Equidade e Diversidade da ENSP, que tem por objetivo apoiar a Direção da Escola no desenvolvimento de políticas e ações orientadas pelas diretrizes da valorização das diferenças; da ampliação e do aprofundamento do debate sobre as desigualdades e a diversidade no cotidiano da ENSP; da atuação institucional em prol da equidade de gênero, de raça, de etnia e para pessoas com deficiência; do fortalecimento nas pautas antirracista, anticapacitista, antissexista, anti heteronormativa; da eliminação das barreiras à acessibilidade e à inclusão das pessoas com deficiência, e da prevenção dos assédios moral e sexual.

Sobre as inscrições: evento voltado aos profissionais dos centros assistenciais da ENSP e da Fiocruz

O Seminário 'Aprimorando o cuidado nas áreas assistenciais da ENSP: enfrentando o racismo, o cissexismo, o capacitismo e o estigma em saúde mental' é voltado aos trabalhadores e trabalhadoras dos centros assistenciais da ENSP, entre eles: Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh); Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria (CSEGSF); e Centro de Referência Professor Hélio Fraga (CRPHF), além de profissionais das áreas assistenciais da Fiocruz e pesquisadores. As inscrições estão sendo mobilizadas por representantes dos três centros de saúde que fazem parte da coordenação do evento - considerando o equilíbrio de representantes de todas as funções em cada centro de saúde. Também irão participar, como convidados, alguns departamentos da Escola e demais unidades da Fiocruz.

Confira a programação completa do evento! 

4 de abril: Neste dia, o evento será transmitido ao vivo, pelo canal da ENSP no YouTube!






Dia 11 de abril: Não haverá transmissão. A atividade é voltada apenas aos participantes do evento. Posteriormente será produzido material audiovisual sobre a dinâmica.